Dr. Fabrízio Ricci Romano

27/08/2012

Como é o seu dia a dia como diretor tesoureiro da ABORL-CCF?

FABRÍZIO ROMANO: Meu trabalho está focado na parte de definição estratégica e de alocação dos recursos, promovendo investimentos, que beneficiem nossos associados, sem descuidar do equilíbrio financeiro das contas. Na parte financeira da ABORL-CCF, contamos com o apoio do Carlos Roberto, nosso diretor financeiro, que nos dá uma grande ajuda no controle operacional das finanças.

Você já faz parte do setor administrativo da ABORL-CCF há algum tempo. Como sua experiência nas últimas gestões tem ajudado no cargo que exerce atualmente?

FR: Com certeza o fato de ter sido diretor administrativo adjunto durante a gestão do presidente Richard Voegels me deu bastante experiência, tanto no dia a dia da Associação, quanto na organização de congressos, relacionamento com os parceiros da indústria farmacêutica e de materiais, etc. Considero essa experiência fundamental para poder ocupar hoje este cargo de grande responsabilidade. Conhecer a estrutura da ABORL-CCF e seus departamentos nos dá confiança nas tomadas de decisões, juntamente com a diretoria executiva. Confesso que não são poucas no dia-a- dia de nossa Associação, que conquistou um patamar de destaque entre as especialidades. Manter este equilíbrio exige conhecimento dentro e fora da Associação.

Qual é a atual situação econômica da Associação?

FR: A saúde financeira da ABORL-CCF tem sido muito boa nestas últimas gestões. Em seis anos, temos conseguido aumentar os investimentos da Associação ano após ano, por meio de uma contenção de custos, da priorização de algumas aplicações e do aumento da receita. Essa estabilidade financeira tem permitido ampliar ainda mais os nossos investimentos, principalmente, em ações de educação médica continuada, aqui na "Casa do Otorrino" e em vários outros projetos que têm acontecido. No início desta gestão, encontramos a Associação com uma saúde financeira muito boa, e isso possibilitou que a gente aumentasse ainda mais estes investimentos.

A que se deve esta boa saúde financeira?

FR: O principal fator responsável é a política das anuidades. Uma das metas desta política, iniciada na gestão do Dr. Richard Voegels - e na qual nosso atual presidente, Dr. Marcelo Hueb, e eu atuamos no setor administrativo - é aumentar ao máximo possível o número de associados, garantindo a representatividade da Associação para os otorrinos brasileiros. Nestes últimos anos, mantivemos o valor da anuidade praticamente inalterado, somente com a correção de inflação, e oferecemos cada vez mais vantagens para os associados, tais como descontos em congressos, programas de educação médica continuada, o novo Boletim ABORL-CCF, descontos por meio do cartão de identidade, o novo tablet que estamos lançando e uma série de outros benefícios. Seguindo este modelo, garantimos que seja interessante participar e se manter como nosso associado. Como consequência, tivemos um grande aumento no quadro associativo e hoje já estamos próximos dos 4.800 associados quites.

Além desta política de descontos, existem outros fatores responsáveis pelo aumento da receita da Associação?

FR: Este ano, outra ação importante que fizemos para o aumento desta receita foi a política com o patrocinador. Ela nos ajuda a melhorar a entrada de patrocínio na ABORL-CCF e, consequentemente, ampliar nossos investimentos. Nosso diretor administrativo e o setor de captação fazem visitas aos nossos parceiros e realizam reuniões nas empresas para apresentar os produtos que a Associação tem para oferecer, melhorando cada vez mais essas parcerias. E nós não paramos de pensar em novos projetos para oferecer sempre mais benefícios para os nossos associados.

Quais foram os principais investimentos da ABORL-CCF neste ano?

FR: Este ano temos investido muito na campanha "Caminhos da ORL", que está sendo um grande sucesso por várias cidades do Brasil. Este é um investimento totalmente da ABORL-CCF, com o intuito de promover a visibilidade do nome do otorrino perante a população, para que ela entenda e saiba porque procurar um especialista. É uma campanha realizada sem nenhum auxílio das indústrias farmacêuticas e de equipamentos, somente com recursos originados nestes anos de boa gestão financeira. No futuro, queremos buscar um apoio ainda maior do Ministério da Saúde e, por isso, optamos por fazer essa ação sem nenhum tipo de patrocínio. O retorno que temos tido de mídia é impressionante. O nosso gasto é equivalente a 5% do valor que teremos em divulgação do trabalho do otorrinolaringologista, até o fim da campanha. Retorno garantido já logo nos primeiros meses da Campanha.

Além deste investimento, também aplicamos recursos na melhoria do nosso espaço físico na "Casa do Otorrino". Fizemos a cobertura retrátil na área externa e, com isso, conseguimos utilizar nosso teatro e o espaço externo para realizar eventos, sejam almoços, jantares, e até como área de estande. Economizamos por não ter que locar espaços para os nossos eventos e também conseguimos lucrar locando nossa área. Por exemplo: se uma indústria farmacêutica deseja realizar um evento aqui, nós alugamos o espaço. Também estamos implementando o Museu do Otorrino, acabamos de inaugurar a galeria de ex-presidentes, faremos a reforma da fachada externa para adequação da legislação e uma série de melhorias físicas na casa, possíveis em razão deste bom capital, além do estudo para viabilidade de reaproveitamento da água de reuso, para utilização na lavagem dos ladrilhos e para regar as áreas ajardinadas. Desta forma, expandimos nosso compromisso com a sustentabilidade, já iniciada nesta Edição do Boletim ORL, com papel produzido a partir de fontes responsáveis.

Podemos dizer que a campanha "Caminhos da ORL" foi o principal captador de recursos para a ABORL-CCF em 2012?

FR:
A campanha não é um captador de recursos. Apesar do anseio de alguns parceiros, para investir e ter a sua marca vinculada à Campanha, seu idealizador, Dr. Marcelo Hueb, priorizou, neste momento, a valorização dos médicos otorrinolaringologistas. Ela é, na verdade, o maior retorno em projeto de investimento registrado na otorrinolaringologia. A maioria dos outros investimentos como, por exemplo, os programas de educação médica continuada e os cursos itinerantes são atrelados aos nossos patrocinadores. Eles não geram custos, porque a gente faz o projeto, mas tem o aporte financeiro dos nossos parceiros para cobrir. Ou seja, são entradas de dinheiro e não saídas. A campanha, como disse, está sendo feita sem nenhum atrelamento com as indústrias farmacêuticas e o retorno em divulgação da ORL para o público tem sido espetacular.

Como está a perspectiva para o congresso de Recife?

FR:
Esta edição do congresso está sendo planejada para que seja uma das maiores que a ORL brasileira já viu. Nosso orçamento, tanto na grade científica, como números de convidados internacionais, tradução simultânea, festas e jantares, está bem grande. Estamos fazendo um investimento muito pesado para que este evento seja inesquecível em sua grandiosidade e, ao mesmo tempo, temos tido uma resposta excelente dos patrocinadores, que tem nos dado uma perspectiva de lucro muito boa. Pela experiência que adquiri por ter participado da comissão organizadora de todos os congressos brasileiros desde 2006, posso dizer que estou muito confiante com a organização deste evento. Todas a propostas de custos são analisadas criteriosamente, de forma a obtermos o melhor serviço/produto por um preço justo, além das importantes parcerias que viabilizam a participação de nossos associados, como convênio com a agência de viagens, propondo os melhores preços de passagens aéreas, locais para hospedagem e também a logística de transportes; hotel/centro de convenções e atividades sociais. Estamos conseguindo equilibrar um ótimo resultado financeiro com um congresso bem organizado e com muitos atrativos para os congressistas, tanto na parte científica, quanto na parte social. Estamos fazendo um grande investimento para oferecer o melhor possível ao associado.

Para finalizar, poderia nos contar um pouco mais sobre este projeto do tablet? O que ele oferece aos associados?

FR: O aplicativo para tablets que está prestes a ser lançado é um dos projetos mais interessantes da ABORL-CCF neste ano. Englobará todas as áreas da otorrinolaringologia, com imagens explicativas que os associados poderão utilizar para dar explicações aos pacientes ou mesmo usar em aulas e palestras. Terá inúmeras funcionalidades como poder imprimir, mandar por e-mail, entre outras. Além disso, dentro do aplicativo teremos sempre os boletins atualizados, programação do congresso, tabela CBHPM, tabela TUSS, CID , além do PR-VADEMECUM, já disponível em nosso site. Será realmente algo revolucionário. Procuramos devolver com benefícios o investimento feito por nossos associados, além de sua contribuição, a confiança na gestão da ABORL-CCF que é o que nos impulsiona a trabalhar cada vez com mais afinco em prol dos amigos otorrinolaringologistas.

 

Bookmark and Share